Foi realizada nesta quinta feira (22/08) a Sessão Magna Alusiva ao Distico 2019 em conjunto das Lojas, Amor ao Próximo, Acácia de Vila Isabel, Pioneiros do Paraibuna e Regente Feijó II, nas dependências desta última, em Três Rios/RJ.

Estiveram presentes a essa concorrida e prestigiada Sessão aproximadamente 60 Irmãos de 08 Lojas presentes, dentre eles o Secretário-Geral Adj de Comunicação do GOB, Eminente Irmão Rodolfo Granato Marchetti, Poderoso Irmão Luís Alberto Cruz, Deputado Federal, Veneráveis Irmãos José Luiz Ferreira de Souza Coordenador da 29ª Circ. do GOB-RJ, Bibiano, Coordenador do GOB-MG, Deputado da PAEL-RJ Antônio Medeiros, Veneráveis Mestres da Região, Irmãos da GLMERJ e demais Ilustres Irmãos.

Destacamos presença da Forte Comitiva da Loja Manchester Mineira, Oriente de Juiz de Fora/MG.

A Palestra foi proferida pelo Poderoso Irmão Luís Alberto Cruz Deputado Federal sobre o tema: “2019 – Brasil acima de tudo, G.A.D.U. acima de todos”.

Texto da palestra:

-Olho por olho ,dente por dente.

-Quem não é o maior , tem que ser o melhor.

Antes tarde , do que nunca.

Dístico:

Palavra de origem grega que significa Frase, sentença ou conceito expresso em dois versos.

Frase geralmente curta que exprime uma ideia ou o pensamento de alguém, de um partido, uma regra de conduta etc. sendo amplamente utilizado na publicidade, também servindo como lema em escudos e brasões.

Olho por olho, dente por dente.

A lei de Talião,  normalmente  citada como o resumo do código de Hamurabi, conjunto de leis do século  XVII AC é um  dístico  do livro de Êxodo 21:24, sendo, portanto, o lema em forma de dístico mais antigo que se tem referência.

Para falar sobre o dístico “Brasil acima de tudo, GADU acima de todos”, temos de analisar primeiramente a sua origem.

Inicialmente não era um dístico, mas apenas a frase que era o lema da brigada de paraquedistas do Exercito Brasileiro.

Muito utilizado para marcar a cadência em  corridas da tropa onde o guia grita:

BRASIL!!!!!

E a tropa responde

ACIMA DE TUDO!!!!!!!!!

Essa frase foi cunhada no fim dos anos 60, quando tivemos o episódio que mudou o rumo dos governos militares no Brasil, iniciando com o período da luta armada e dos atentados terroristas que culminou com a decretação do AI 5 em 1968.

Esse episódio foi o atentado a bomba no dia 25 de julho de 1966, no aeroporto de Guararapes no Recife, atentado que tinha como alvo o general Arthur da Costa e Silva, na época, ministro do exército e candidato à sucessão presidencial.

O saldo foi de dois mortos e 14 feridos, mas a consequência mais marcante foi a criação de um grupo de oficiais paraquedistas, que passaram a se reunir semanalmente para discutir a situação do país.

Dessas discussões surgiu um grupo chamado “Centelha Nativista”.

Além de debater e aprofundar os estudos sobre a situação do país, o grupo ainda redigiu uma oração e uma carta de princípios com diretrizes nacionalistas, porém não xenófobas.

Como não podia deixar de ser, precisavam de um lema, e o escolhido, teria de deixar claro que seus objetivos não eram de interesse pessoal, mas acima de tudo eram patriotas.

Daí surgiu o lema:

“Brasil acima de tudo”

Não demorou muito tempo para que o grupo de pensadores passasse da intenção à ação, e dentre outras ações, podemos citar a tentativa frustrada de impedir a decolagem do avião que levaria à Argélia os 13 terroristas que estavam presos e foram trocados pelo embaixador americano  Charles Burke Elbrick.

O embaixador americano foi sequestrado por terroristas da ALN e do MR-8 no dia 4 de setembro de 1969 e os oficiais da Centelha nativista pretendiam impedir a decolagem do avião, porém a partida havia sido antecipada em 2 horas e a aeronave já não estava mais em solo.  Num esforço para exprimir sua revolta, tomaram de assalto os microfones da rádio Nacional e leram um manifesto contra a junta de militares que governava o Pais devido ao afastamento do Gen. Costa e Silva, por motivos de saúde.

Os 7 oficiais paraquedistas que participaram dessa ação, após a leitura se renderam e foram  julgados e absolvidos, pois não haviam cometido mais que um ato de insubordinação; contudo, foram enviados para longe dos grandes centros onde não teriam a mesma força na divulgação de seus ideais.

Em 17 de setembro do mesmo ano, o presidente Costa e Silva veio a falecer. Novamente o grupo se reuniu e procurou o general Augusto de Albuquerque Lima, oferecendo apoio e propondo uma aquartelada para que o mesmo assumisse a presidência da república, mas  o General não aceitou a oferta.

Em 30 de outubro de 1969, o presidente Emílio Garrastazu Médici assume a presidência e os oficiais integrantes da centelha nativista são enviados para dezenas de quartéis Brasil afora.

Perderam a batalha, não a guerra. Seus ideais continuaram a ser difundidos entre os membros da tropa e em 11 de março de 1974, por ocasião da passagem de comando, o General Hugo de Abreu termina a ordem do dia da brigada paraquedista com a seguinte frase:

“BRASIL ACIMA DE TUDO”

Este foi o primeiro registro oficial do brado da centelha nativista em um documento militar .

Em 15 de Janeiro de 1985, o General Acrísio Figueira assume o Comando da Brigada de Infantaria Paraquedista e tem como sub comandante um dos fundadores da centelha nativista, o agora coronel VALPORTO e passa a adotar em definitivo, o lema: “BRASIL, ACIMA DE TUDO”.

Este passa a ser não só o lema oficial dos paraquedistas, como também o seu maior brado que era utilizado para marcar a cadência nas corridas da tropa.

Havendo um forte contingente de cristãos entre os militares, e os mesmos se sentindo incomodados com tal brado, logo forjaram a sentença, que geralmente respondia ao brado:

“ABAIXO SOMENTE DE DEUS”

Forjava-se então o dístico:

“BRASIL ACIMA DE TUDO, ABAIXO SOMENTE DE DEUS”

Na última campanha presidencial, o então candidato Jair Bolsonaro, sendo um paraquedista da reserva e certamente conhecedor não só do brado, como também de sua origem, alterou a segunda frase cunhando o dístico que se tornou o lema de sua campanha :

“BRASIL ACIMA DE TUDO, DEUS ACIMA DE TODOS”

Este lema trrnou-se o brado de cadência em corrida não só dos paraquedistas, mas de diversas organizações militares.

O GOB RJ tem por hábito anualmente eleger um dístico como lema, e nada mais apropriado que ter-se lembrado de uma organização como a CENTELHA NATIVISTA que embora tenha sido dissolvida no inicio deste século, seus ideais e princípios ainda devem ser lembrados por serem coerentes com nossos ideais.

Estes  princípios são:

1) Considerar o bem-estar comum como princípio básico de todo desenvolvimento

2) Fazer da ordem, da disciplina e do trabalho honesto a alavanca do progresso da Nação

3) Dar oportunidade a todos e promover os mais capazes

4) Fazer da educação ética e cívica instrumento para a formação do povo e da boa consciência nacional

5) Promover o desenvolvimento, garantindo a soberania nacional

6) Incentivar o culto às tradições e o respeito à família, como base da nossa sociedade

7) Manter a harmonia de classes através da distribuição de renda

8) Impor obrigações recíprocas entre governantes e governados, através das leis, para que as responsabilidades sejam equitativamente distribuídas

9) Estimular a iniciativa privada, promovendo os valores permanentes da nacionalidade, expressos nos objetivos nacionais vitais

10) Ser rigoroso e inflexível na punição dos crimes contra o povo, o Estado e a Nação.

Mais que um lema, mais que um dístico adotado por nosso Grão-Mestre, este deve ser o modo de conduta a nortear não só a nós os pedreiros livres, mas a todos os que tem por berço esse lindo, nobre e pujante país.

John Kennedy levou uma nação a repensar seus interesses com o dístico.:

“Não pergunte o que seu país pode fazer por você, pergunte o que você pode fazer por seu país”.

“BRASIL ACIMA DE TUDO, GADU ACIMA DE TODOS.

Luis Alberto A Cruz M. M  240230

Petrópolis, 22 de agosto de 2019